27/05/16

Poema incontido

A violência no corpo da mulher acontecerá neste dia
a supressão da dignidade da mulher acontecerá neste dia
a opressão de seus anseios e vontades
a invasão de sua privacidade
impulsionada pela força inconcebível das opiniões alheias
acontecerá também
tudo agora
tudo já
eu não fico sabendo
você não fica também
mas acontecerá
embora a gente não saiba
acontecerá
em alguma hora do dia
do dia que morre sem se debater
e tem a luz abafada pela vergonha de nos mostrar que este dia também é isso
luz que se cala e emudece
porque precisa aceitar que é mais fraca
e perderá a capacidade de iluminar no decorrer das horas
para que a noite sobressaia mais uma vez
como dizem os conformados
o dia não é diferente do que foi ontem
frustro-me também por não sê-lo
e ser capaz de com apenas a força do meu pensamento
frear toda a insensatez do mundo
frustro-me mas ainda tenho força para resistir
e não aceitar as coisas como elas são
é por essas e outras que levanto após a queda de cada dia
como forma de resistência
tendo o retorno da luz como companhia
a luz nos olhos da mulher
que clareia e alimenta a esperança do mundo
através do que pensa sonha e faz

ainda que tentem contê-la
ela resiste
luta
e vence
como a luz que entra por uma fresta da janela obscura
e supera a treva do quarto abandonado
com brilho e calor.