30/04/2017

Elegia a palo seco




O espaço-tempo é desrespeitado nessas horas em que as perdas provocam verdadeiros vazios

Belchior indo embora leva consigo um dos elos da palavra vulgar com o indizível
fica um silêncio amargurado
um remorso ininteligível
uma saudade de um tempo que subverteu a si mesmo
pra tornar-se de alguma forma eterno

- que sua memória mantenha-nos vivos -
desesperadamente eu grito em português
como quem já não sabe
se nesse mundo há silêncio
ou surdez

grito em português
para que o embrutecimento não nos reduza a pedra
a multidão de pedra onde não há mais canção

para que não sejamos ilhas sem voz
dentro de nós mesmos.

Um comentário:

Marcos Satoru Kawanami disse...

Voz e estilo inconfundíveis. Ele tinha sumido, se escondeu no Uruguai. Acho que estava mal.

abraço